Campanha quer ampliar acesso a cirurgia bariátrica pelo SUS

Campanha quer ampliar acesso a cirurgia bariátrica pelo SUS

Uma campanha da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) busca a participação popular para que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) inclua a cirurgia metabólica na lista mínima dos procedimentos que os Planos de Saúde devem obrigatoriamente oferecer aos consumidores. Mesmo com diversos estudos apresentados pela SBCBM, a proposta recebeu parecer negativo da câmara técnica da ANS, que analisou o processo. Agora, a ANS abriu consulta pública para ouvir a sociedade civil sobre a cirurgia metabólica e decidir se incorpora ou não o procedimento no seu rol.

Para contribuir com a Consulta Pública basta clicar no link https://bit.ly/SBCBMConsultaPublica procurar pela Recomendação preliminar “153 – Gastroplastia”⁣, clicar em “Discordo da Recomendação Preliminar”,   e dizer porque a cobertura da cirurgia metabólica para pacientes com Diabetes é importante. Além disso, a SBCBM destaca a necessidade de ampliar também o acesso à cirurgia bariátrica pelo SUS e divulga números do procedimento em todo país. De acordo com o cirurgião Walter França essa iniciativa da SBCBM é de grande importância, sobretudo no momento em que vivemos a pandemia do novo coronavírus já que, em pacientes obesos, o vírus tem chances de evoluir de forma mais agressiva. No caso da bariátrica, ele lembra que essa cirurgia é comprovadamente um tratamento eficaz para combater a  obesidade e doenças associadas como diabetes, hipertensão, problemas cardiovasculares, refluxo esofágico, entre outros.

“A cirurgia bariátrica é considerada essencial para a saúde de pacientes obesos e clinicamente graves que apresentam comorbidades importantes como diabetes tipo 2 com indicação cirúrgica e hipertensão. O retardo ou adiamento dessa cirurgia, sobretudo para esses casos citados, pode resultar em aumento da morbimortalidade e diminuir as chances de sucesso no tratamento.  Por isso é importante ampliar o acesso a essa  cirurgia pelo SUS”, destaca Walter França.

DADOS DA PESQUISA DA SBCBM

Em 2019 foram realizados 68.530 procedimentos, –  7% a mais do que em 2018 quando foram feitos 63.969 cirurgias. Esse total de cirurgias representa 0,5% da população de portadores de obesidade grave, que atinge cerca de 13,6 milhões de pessoas – com indicação de tratamento cirúrgico. Na saúde pública, foram realizadas 12.568 cirurgias bariátricas no mesmo período. Um crescimento de 10,2% se comparado a 2018. Na saúde suplementar, por meio de planos de saúde, foram realizadas 52.699 cirurgias bariátricas, um crescimento de 6,4% se comparado a 2018. Já entre as cirurgias particulares, pagas integralmente pelos pacientes, o número foi de 3.263 procedimentos no Brasil.

Os números de cirurgias bariátricas por estado foram divulgados apenas com base no Sistema Único de Saúde (SUS) – que mantém seus dados públicos. Já a ANS ainda não divulgou o número de cirurgias realizadas por planos em cada estado do país. No Nordeste foram 23 cirurgias na Bahia; 5 no Sergipe; 35 em Alagoas; 204 em Pernambuco; 61 na Paraíba; 89 no Rio Grande do Norte; 137 no Ceará; nenhuma no Piauí e 52 no Maranhão.   Já no sul, foram 7.456 cirurgias no Paraná; 376 em Santa Catarina; e 434 no Rio Grande do Sul. Na região sudeste, São Paulo realizou 1.636 procedimentos; Rio de Janeiro 47; Espiríto Santo 656; e Minas Gerais 944. No Centro-Oeste foram realizadas 70 cirurgias no Mato Grosso do Sul; 300 em Goiás; nenhuma em Mato Grosso e 4 no Distrito Federal. Na região Norte foram 32 cirurgias no Tocantins e 10 no Acre. Amazonas, Roraima, Amapá, Rondônia e Piauí não possuem serviços de cirurgia bariátrica habilitados no SUS.  Atualmente, o SUS conta com 85 serviços de assistência de alta complexidade à atenção ao Indivíduo com Obesidade em 22 estados.

Até agora, os dados de 2020 foram divulgados apenas pela saúde pública. Entre janeiro e junho deste ano foram realizadas 2.859 cirurgias. Em 2019, no mesmo período, já haviam sido feitas 5.382 cirurgias bariátricas pelo SUS. A queda de 60% pelo SUS se deve a suspensão das cirurgias eletivas com o início da pandemia do novo Coronavírus. Para que se tenha ideia, em janeiro deste ano foram 904 procedimentos realizados e, em julho, foram realizadas 32 cirurgias pelo SUS em 2020.

Foto: divulgação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *