Pernambuco em Câmara Lenta: governador desdenha de relação com o presidente da República

Pernambuco em Câmara Lenta: governador desdenha de relação com o presidente da República

Coluna do Diego Lagedo: No Brasil, a boa relação entre um governo estadual e o Governo Federal é indispensável para o desenvolvimento econômico do estado. A Constituição de 1988 concentrou muitos poderes na União, o que inclui a maior parte do orçamento. Mesmo sabendo disso, o governador Paulo Câmara não consegue colocar sua ideologia de lado e manter uma boa relação com o Governo Federal, capitaneado pelo presidente Jair Bolsonaro. O líder máximo da nação vem a Pernambuco nesta sexta-feira para inaugurar uma importante obra hídrica no sertão do estado. É certo que o convite foi feito em cima da hora, na quarta-feira, mas também o foi para outros políticos do estado. Paulo Câmara desperdiça mais uma oportunidade de aproximação, ainda que protocolar, com o Governo e quem paga é o estado de Pernambuco, que perde cada vez mais investimentos e relevância no âmbito regional. Pernambuco segue em câmara lenta.


FBC: Líder do Governo no Senado, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) virá acompanhar o presidente Jair Bolsonaro em sua comitiva para a inauguração de um novo trecho da Adutora do Agreste no município de Sertânia. Experiente, FBC ocupa o vácuo de poder deixado por Paulo Câmara ao representar Pernambuco junto ao presidente.


Democratas: O diretório do Democratas no Recife entrou com uma ação na Justiça Eleitoral pedindo a impugnação de toda a chapa do Avante na eleição de 2020. O partido alegou que o Avante teve ao menos uma candidata laranja para cumprir a cota de mulheres na chapa e que esta registrou em cartório que não tinha ciência de que havia concorrido, tendo recebido zero votos. Se a chapa do avante for anulada, os vereadores Fabiano Ferraz e Dilson Batista perderão os mandatos e o DEM e o Republicanos terão direito a uma vaga cada.


Arcoverde: O TRE-PE determinou o afastamento do prefeito de Arcoverde, Wellington da LW, e do seu vice. Eles foram afastados por praticarem abuso de poder político e econômico na campanha de 2020. Sendo assim, deve assumir provisoriamente o presidente da Câmara Municipal, até que seja realizada eleição suplementar.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábado.

Foto: reprodução/Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *