União da oposição em Pernambuco passa pelas mãos de Mendonça Filho

União da oposição em Pernambuco passa pelas mãos de Mendonça Filho

Coluna do Diego Lagedo: Assim como o seu pai, José Mendonça, foi o grande articulador da União Por Pernambuco, que juntou o MDB com o PFL para derrotar o PSB de Miguel Arraes, Mendonça Filho pode unir as pretensões majoritárias de Miguel Coelho, Anderson Ferreira e Raquel Lyra na próxima eleição. Os três grandes prefeitos tem pretensões de disputar a cadeira de governador de Pernambuco e o processo de chegar a um entendimento sem rupturas é muito delicado. Para que essa união seja possível, todos os lados precisam abrir mão de algo em busca do equilíbrio e da construção da aliança. Estando no topo dos nomes oposicionistas de Pernambuco, mas sem pretensão de encabeçar uma chapa para governador em 2022, Mendonça Filho pode ser o elemento aglutinador ou o fiel da balança da oposição na próxima eleição. Caso não haja entendimento, o pré-candidato que receber o apoio do líder democrata sairá em vantagem dentre os três pretendentes, mas a oposição ficará muito mais fortalecida se permanecer unida. De uma forma ou de outra, o destino da oposição continua passando pelas mãos de Mendonça.


Miguel Coelho: O prefeito de Petrolina reclamou do excesso de impostos cobrado pelo Governo de Pernambuco, que ele afirma que acabam não sendo reinvestidos em serviços para a população: “Pernambuco cobra muito imposto e não dá retorno em investimentos”. A fala se soma a uma série de críticas que Miguel tem feito ao Governo Paulo Câmara.


André Ferreira: Em seu primeiro mandato como deputado federal, André Ferreira conseguiu o feito de ser líder do PSC na Câmara dos Deputados e, agora, foi escolhido vice-líder do Governo. Em pouco mais de dois anos na casa, André Ferreira mostrou uma grande capacidade de articulação.


Lula: Uma pesquisa realizada pelo instituto Paraná Pesquisas apontou que 57% dos brasileiros consideram que a prisão de Lula foi justa. O percentual é mais alto no Sul, no Norte e no Centro-oeste do Brasil. Já o Nordeste é a única região do país que o percentual de pessoas que concordam ou discordam da prisão ficou empatado.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram