Deputada do PT critica inclusão da educação entre atividades essenciais

Deputada do PT critica inclusão da educação entre atividades essenciais

O Projeto de lei federal para incluir a educação presencial no rol de atividades essenciais – aquelas consideradas importantes demais para serem paralisadas, mesmo em períodos de calamidade pública – recebeu críticas da deputada Teresa Leitão (PT). Na Reunião Plenária desta quinta (29), a parlamentar defendeu que o setor não é serviço, mas direito constitucional a ser priorizado pelo Poder Público.

“O uso do termo ‘essencial’ é para confundir as pessoas. Somos contra a hipocrisia de usar maldosamente o conceito e, em paralelo, não dar à educação a primazia necessária para colocá-la no patamar de direito imprescindível”, argumentou.

Teresa Leitão associou-se ao Fórum Nacional Popular de Educação, que divulgou nota pública contrária à aprovação da matéria, que já foi acatada pela Câmara dos Deputados e está na pauta de votações de hoje do Senado Federal. Ela convocou os demais parlamentares a articularem politicamente a rejeição ou o adiamento da votação da proposta no Senado.

Foto: Alepe.