Ex-secretário do Recife recebeu R$ 73.900,00 de origem desconhecida, aponta MPF

Ex-secretário do Recife recebeu R$ 73.900,00 de origem desconhecida, aponta MPF

A segunda denúncia do Ministério Público Federal contra o ex-secretário de Saúde da Prefeitura do Recife na gestão de Geraldo Júlio (PSB) apontou que ele recebeu depósitos em dinheiro de origem desconhecida.

“Em desfavor de JAILSON milita ainda o fato de o afastamento de seu sigilo bancário, com a autorização desse juízo, ter revelado que, no período em torno dos fatos objeto desta ação penal, ter ele realizado, inclusive, com o auxílio de sua esposa, JOSILMA CASSIA ESPÓSITO, ou sido beneficiário de depósitos em espécie em sua conta bancária no Banco Bradesco, no montante total de R$ 73.900,00”, aponta a denúncia.

O MPF ainda esclarece que esse valor de mais de R$ 73 mil não se confunde com o vencimentos lícitos recebidos por ele: “Registre-se que esses valores não se confundem com as remunerações lícitas que esse denunciado recebe em razão dos vínculos empregatícios que mantém com algumas instituições, todas objeto de operações eletrônicas, ao contrário desses R$ 73.900,00, que foram objeto de depósitos em espécie nos montantes de R$ 30.000,00, R$ 15.000,00, R$ 8.000,00 e R$ 5.000,00 (4 depósitos) e R$ 900,00”.

A denúncia aponta que as práticas do ex-secretário configuram os crimes previstos no art. 299, parágrafo único, no art. 93 da Lei nº 8.666/93 e no art. 312 do Código Penal.

O ex-diretor Felipe Soares Bittencourt também é apontado como tendo recebido um depósito de origem desconhecida: “Em desfavor de FELIPE SOARES BITTENCOURT, assim como em relação a JAILSON BARROS CORREIA, milita ainda o fato de o afastamento do seu
sigilo bancário, com autorização desse juízo, ter revelado ter ele sido beneficiário, no
período em que os fatos objeto desta denúncia ocorreram, de depósitos de origem
desconhecida, no valor total de R$ 5.000,00, mais precisamente, no dia 20.3.2020,
quando nos dias 23 e 27 de março, esse denunciado praticara atos beneficiando a empresa DELTA MED”.

Denúncia

O Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) ofereceu, à Justiça Federal, denúncia contra cinco pessoas no âmbito da Operação Bal Masqué, deflagrada em julho do ano passado para investigar irregularidades na compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) e camas hospitalares pela Secretaria de Saúde do Recife, com recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) para o enfrentamento da pandemia da covid-19. 

São alvos da ação o ex-secretário de Saúde do Recife Jailson de Barros Correia, o ex-diretor executivo de Administração e Finanças da Secretaria de Saúde do município Felipe Soares Bittencourt e a ex-gerente de Conservação de Rede da Secretaria de Saúde do Recife Mariah Simões da Mota Loureiro Amorim Bravo, bem como os empresários Jones Marco de Arruda Moura e Renata Deud Salomão Rameh Sarmento, administradores da Delta Med Distribuidora de Medicamentos. Os denunciados são acusados da prática dos crimes de falsidade ideológica, uso de documento falso, fraude a ato de processo licitatório e desvio de recursos.

Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram