É preciso falar sobre os corruptos, eles matam mais que o vírus

É preciso falar sobre os corruptos, eles matam mais que o vírus

Coluna do Diego Lagedo: Sempre considerei que o pior tipo de corrupção é aquele feito na área da saúde. Cada real que deixa de ser investido na saúde tem um impacto direito na vida e na morte dos pacientes. Em tempos de Pandemia, isso é mais grave.

Governadores e prefeitos que desviaram ou fizeram mau uso das verbas destinadas ao combate à Covid-19 deveriam estar no cerne do debate nacional, de preferência, assistindo tudo de trás das grades. Pelo contrário, a maioria deles ainda governa, alguns notórios corruptos sequer foram indiciados, muito menos condenados, e andam livres, fazendo planos para novas eleições.

Que fique registrado para a posteridade, essa é a realidade do Brasil na Pandemia em 2021. Enquanto uma CPI no Senado Federal, presidida e relatada por figuras carimbadas em inquéritos investigativos, busca apenas prejudicar politicamente o presidente da República, corruptos que se lambuzaram com recursos públicos estão livres para continuam surrupiando o país. Esse é o Brasil de hoje.


Mendonça: O ex-ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), esteve no Ministério da Saúde com o prefeito de Belo Jardim, Gilvandro Estrela (DEM), para destravar recursos que já haviam sido garantidos para a saúde do município. Ambos se reuniram com o ministro Marcelo Queiroga e também pediram a destinação de mais recursos para que possa ser construído um hospital na cidade.

Feitosa: Em entrevista a uma rádio, o deputado Alberto Feitosa (PSC) criticou atuação do governador Paulo Câmara (PSB) durante a Pandemia: “Pior gestão do Estado de Pernambuco, um governador que se mostrou totalmente incompetente em relação a administrar a crise na pandemia”, disse Feitosa.

Clarissa Tércio: Um blog da Região Metropolitana do Recife divulgou que a deputada Clarissa Tércio (PSC) já estaria decidida a ser candidata a governadora e estaria montando sua equipe. Porém, a deputada ainda não decidiu se irá ou não concorrer ao cargo.

Eduardo da Fonte: O deputado Eduardo da Fonte (PP) elogiou a renovação do Auxílio Emergencial por parte do Governo Federal, mas cobrou que o valor seja aumentado para R$ 600,00: “Estamos ampliando a vacinação, o que vai nos permitir vencer essa pandemia, mas até a imunização de toda a população, nós precisamos garantir condições para que as famílias enfrentem essa crise sanitária e econômica com dignidade”, disse o deputado.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábado.

Foto: Agência Senado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram