Em live, Bolsonaro aponta possíveis fraudes em eleições com urnas eletrônicas

Em live, Bolsonaro aponta possíveis fraudes em eleições com urnas eletrônicas

Coluna do Diego Lagedo: Em live realizada nessa quinta-feira (29), o presidente Jair Bolsonaro questionou por que o presidente do TSE se posicionou de forma incisiva contra o voto impresso e auditável, tendo em vista que ele se reuniu com líderes de partidos para barrar a PEC do voto impresso na Comissão no Congresso Nacional.

O presidente também questionou deputados que eram a favor do voto impresso e que agora são contrários. “Qual o poder de persuasão do Barroso?”, questionou Bolsonaro. O presidente ainda lembrou da auditoria realizada pelo PSDB em 2014 e a fala do deputado Carlos Sampaio (PSDB) afirmando que o sistema eleitoral é inauditável.

“Será que existe um sistema querendo, por meios outros não democráticos, fazer voltar ao poder aqueles que mergulharam o país na corrupção e na impunidade?”, questionou Bolsonaro.

O presidente também levou à live um especialista em Tecnologia da Informação para demonstrar que as urnas eletrônicas são passíveis de fraude. Como provas, foram apresentados vídeos de eleitores que tentaram votar em Jair Bolsonaro em 2018, mas a urna transformava o número 17 em Nulo ou acrescentava o 3 após se digitar o 1, o que favorecia o candidato do PT.

Também foram apresentadas possíveis inconsistências no padrão de apuração da votação entre o resultado parcial apresentado pelo TSE em 2018, em que Bolsonaro apareceu com 49% das intenções de voto e faltando 90% dos votos do Sudeste, o que indicava que não haveria segundo turno. Porém, quando entraram os votos do Sudeste, onde Bolsonaro era favorito e estava na frente, seu percentual caiu.

Também foi afirmado que as pesquisas de boca de urna mostravam que Bolsonaro venceria no primeiro turno, algo que não aconteceu. Além disso, foi mostrado que a votação do presidente Jair Bolsonaro no Sudeste contava com 15 milhões de votos a mais que Haddad (PT).

Também foi transmitida uma matéria da Globo que abordava fraudes eleitorais na eleição de 2008 na cidade de Caxias, Maranhão. Nesse caso, as urnas chegaram a ser auditadas após reclamações da população e os especialistas identificaram que as urnas haviam sido ligadas após o lacre e que os códigos das urnas haviam sido alterados após a eleição. Na mesma cidade, em 2012, houve outra reportagem da Band mostrando fraudes nas eleições. Também foram identificados flash cards em excesso na apuração das votações.

O presidente também apresentou um padrão anormal na apuração da votação em 2014, logo após Dilma passar Aécio. Bolsonaro afirmou que esses dados serão enviados para a Polícia Federal para que sejam analisados.

Bolsonaro também apresentou outro padrão estranho na eleição para prefeito de São Paulo em 2020, quando a ordem e o percentual dos candidatos se manteve a mesma entre menos de 1% e os 100% dos votos apurados.

“Quem não quer mudar o sistema é porque tem certeza que o voto não auditável servirá para eleger quem não tem voto. Repito, quem tirou o Lula da cadeia, quem o tornou elegível é que vai contar os votos lá no TSE”, disse Bolsonaro.

Por fim, foram apresentados relatórios e sugestões da Polícia Federal sobre as urnas eletrônicas, que mostraram dificuldades em auditar os votos, bem como relacionar o voto computado com o devido eleitor. Além disso, foram apresentadas falhas na criptografia das urnas em 2016. Já em 2018, a Polícia Federal recomendou que deveriam ser feitos todos os esforços para adoção do voto impresso, para que exista um elemento de auditoria não eletrônico.

“Voto impresso auditável e contagem pública dos votos é um instrumento de cidadania e paz social, garantia de paz e prosperidade, de harmonia entre os poderes. Nenhum poder é absoluto, todos nós temos limites. O que o povo quer, e nós devemos atendê-lo, é exatamente um sistema de votação onde se possa ter a garantia de quem se votou e de que o voto vai para aquela pessoa. Assim, nós conseguiremos, com toda certeza, a paz no Brasil. Conseguiremos antecipar possíveis problemas e nós partiremos para a normalidade”, concluiu Bolsonaro.


MDB: Em reunião com o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), e o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), o prefeito do Paulista, Yves Ribeiro (MDB), defendeu que o seu partido tenha candidato próprio para governador em 2022. A comitiva dos Coelho, que também conta com os deputados Fernando Filho (DEM) e Antonio Coelho (DEM), ainda visitou Igarassu e Abreu e Lima nessa quinta-feira.

Transnordestina: O senador Fernando Bezerra Coelho afirmou que a culpa da ferrovia Transnordestina não ser construída até o Porto de Suape é do Governo de Pernambuco, que não apresentou condições competitivas para a concessionária da obra. FBC lembrou que o Ceará, por onde a Transnordestina escoará a produção, está sendo governado pelo PT, o que desmente a tese de perseguição política do Governo Federal.

Jaboatão: Mostrando compromisso com o meio ambiente, o prefeito do Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), anunciou a implementação do maior projeto de reciclagem de resíduos sólidos da América Latina em seu município.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábado.

Foto: reprodução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram