BARBÁRIE: militantes sem-teto destroem habitacional que seria entregue por Bolsonaro em Santa Cruz do Capibaribe

BARBÁRIE: militantes sem-teto destroem habitacional que seria entregue por Bolsonaro em Santa Cruz do Capibaribe

Militantes de movimentos sem-teto destruíram um conjunto habitacional que seria entregue pelo presidente Jair Bolsonaro aos novos moradores em novembro desse ano. Com previsão de 800 moradias, estando 500 praticamente concluídas, o Residencial Cruzeiro foi construído através do Programa Minha Casa, Minha Vida Faixa I e tinha previsão de conclusão em dezembro, estando com 97% das obras concluídas.

Invadido desde o dia 29 de agosto, diversos órgãos estavam negociando a saída dos esbulhadores e a Caixa Econômica Federal havia tomado as medidas judiciais para prosseguir com a reintegração de posse. Porém, os militantes saíram do habitacional deixando um rastro de destruição para trás.

Imagens feitas por Abimael Santos, do movimento Liberta Pernambuco, em denúncia nas redes sociais, mostram imóveis depredados, vidros quebrados, paredes queimadas pelo fogo e postes derrubados em cima das casas, que tiveram os telhados danificado.

Mais uma vez, esses movimentos mostram que não existem para buscar a melhoria da vida da população. Cerca de 500 famílias, que já haviam sido contempladas em sorteio, foram prejudicadas e terão o sonho da casa própria adiado por conta dos atos de vandalismo.

Já basta de chamar terroristas de “movimento social” no Brasil.


Pandemia: O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que toda a população do Brasil estará imunizada contra a Covid-19 até o final do ano. Atualmente, 49% dos habitantes do país que tem idade para se vacinar já receberam ao menos duas doses do imunizante ou a dose única da Janssen.

Auxílio Brasil: O ministro da Cidadania, João Roma, afirmou que o Auxílio Brasil, que irá substituir o Bolsa Família, deve contemplar 17 milhões de pessoas no país. O diferencial do programa será a capacitação profissional, que será oferecida em parceria com o Sistema S. O governo espera aumentar os atuais R$ 190 do Bolsa Família para R$ 300 no Auxílio Brasil.

Combustível: Apesar da alta no preço dos combustíveis no mercado internacional, que impacta fortemente no Brasil, o presidente da Petrobras, general Silva e Luna, descartou o tabelamento de preços no país. “O Brasil já tentou medidas heterodoxas em outros momentos, sempre sem sucesso. Tabelar preços sempre trouxe as piores consequências econômicas para qualquer país que o faça”, disse Silva e Luna.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábadosendo replicada em diversos blogs de Pernambuco.

Foto: reprodução/Facebook.

*Publicação atualizada após divulgação de novas informações pela PF.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram