Movimento Não Vou Pagar entra com ação popular para barrar nova obra na Arena Pernambuco

Movimento Não Vou Pagar entra com ação popular para barrar nova obra na Arena Pernambuco

Por Otávio Lemos: Uma coroação da ineficiência do Estado e da impunidade, assim é a nova obra idealizada pelo Governo Estadual, através de Paulo Câmara. Diferente de outros escândalos de corrupção, o super faturamento da Arena Pernambuco possui um gosto particularmente amargo na boca do pernambucano. A obra feita para a Copa do Mundo de 2014, teve, segundo o TCE, superfaturamento de 81 milhões de reais. Fato esse, a qual a população não se esqueceu, e pior, sentiu na pele durante a atual pandemia de coronavírus.  

Os recursos desviados da Arena pesaram no combate a doença, e a obra em si, ao custo total de 479 milhões de reais, reduziu a capacidade do Estado de enfrentar o vírus.

Não bastasse isso, ninguém foi responsabilizado pelo desvio, não houve uma multa ou processo criminal, todos absolvidos por prescrição. 

Assim como no filme Magico de OZ, onde a protagonista era ensinada, que bastava tão somente seguir a estrada de tijolos amarelos, o Governador Paulo Câmara parece ter encontrado a sua estrada. Novamente, afrontando a população, Paulo quer nova obra milionária na Arena Pernambuco. Desta vez, a justificativa é a total climatização do estádio, justificativa essa que não vai de encontro com o interesse da população, que hoje possui taxa de desemprego de 21,6% segundo último levantamento do IBGE.

O escárnio é ainda maior, se levarmos em consideração os constantes prejuízos da Arena, que demanda recursos públicos na ordem de 7 milhões de reais por ano, apenas para se manter funcionado.

Em razão disso, o Movimento Não Pagar entrou com ação pública para impedir o processo de licitação da nova obra, e preservar, assim, os interesses do povo pernambucano. 

Foto: Rafael Bandeira/Secopa-PE.

Instagram