Bolsonaro socorre a população ao zerar impostos sobre alimentos

Bolsonaro socorre a população ao zerar impostos sobre alimentos

Coluna do Diego Lagedo: O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, mostraram sensibilidade com as necessidades da população brasileira, que ainda sofre com a crise econômica trazida pela pandemia de Covid-19 e pela política do “fecha tudo”. Para conter a inflação, o Governo Federal providenciou a desoneração de vários itens da cesta básica.

Através da Gecex/Camex, do Ministério da Economia, foram zerados os impostos de importação das carnes desossadas de bovino, congeladas (imposto era de 10,8%); dos pedaços de miudezas, comestíveis de galos/galinhas, congelados (imposto era de 9%); da farinha de trigo (imposto era de 10,8%); dos outros trigos e misturas de trigo com centeio, exceto para semeadura (imposto era de 9%); das bolachas e biscoitos, adicionados de edulcorante (imposto era de 16,2%); de outros produtos de padaria, pastelaria, indústria de biscoitos, etc. (imposto era de 16,2%) e do milho em grão, exceto para semeadura (imposto era de 7,2%).

A medida serve para forçar o produtor nacional a baixar os próprios preços para não ter que concorrer com os produtores internacionais pelo mercado brasileiro. A economia será ponto central na eleição para a Presidência da República nesse ano e a gestão do presidente Bolsonaro tem garantido que as medidas adotadas tenham impacto positivo no consumo dos cidadãos.


Agreste: O pré-candidato a governador Anderson Ferreira (PL) comemorou a liberação de mais de R$ 20 milhões para a Adutora do Agreste: “a medida se dá em função da calamidade em que se encontra o estado perante a crise no sistema de abastecimento de água”. Anderson também se encontrou com o prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Keko do Armazém, para reforçar a parceria para a eleição desse ano.

Crítica: O pré-candidato a governador Miguel Coelho (UB) criticou a gestão de Paulo Câmara (PSB) por anunciar, em véspera de eleição, a liberação de recursos para os municípios que são fruto de anos de atrasos em repasses: “Mais uma vez, o Governo do Estado tenta enganar a população anunciando, a cinco meses da eleição, recursos para a saúde, após sucessivos atrasos nos repasses para os municípios. Desde 2014, o estado não realiza transferências para a atenção básica. Além disso, os recursos para o Atendimento Móvel de Urgências (Samu) não chegam aos municípios desde 2012. É uma medida claramente oportunista e eleitoreira”.

Sigilo: A deputada Priscila Krause (Cidadania) questionou uma decisão do gabinete do governador Paulo Câmara por impor um sigilo de cinco anos para a viagem a Glasgow, na Escócia, em novembro de 2021, onde ocorreu a COP-26: “A publicidade dos atos da administração é um princípio basilar da gestão pública e esse sigilo é mais uma contradição do governo de Pernambuco, que fala uma coisa e faz outra”.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábadosendo replicada em diversos blogs de Pernambuco.

Foto: Alan Santos/PR.