Bolsonaro sanciona e Auxílio Brasil de R$ 400 agora é um programa permanente

Bolsonaro sanciona e Auxílio Brasil de R$ 400 agora é um programa permanente

Coluna do Diego Lagedo: O Auxílio Emergencial foi o único programa de distribuição de renda que realmente ajudou a população brasileira no período da Pandemia. O programa foi um enorme sucesso, atendendo dezenas de milhões de brasileiros, e até ajudou a alavancar alguns setores da economia no período pandêmico.

O sucesso do Auxílio Brasil foi tão grande que possibilitou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) desse continuidade a ele criando o Auxílio Brasil de mais de R$ 400. Uma preocupação dos políticos é que o novo programa só alcançasse esse valor pelo período de um ano e depois voltasse a pagar o valor mais baixo que era concedido pelo Bolsa Família.

Essa preocupação já não existe mais, o Auxílio Brasil de mais de R$ 400 se tornou um programa permanente após uma nova lei ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro. O perfil do programa é de pessoas que tenham renda familiar de R$ 210 por pessoa, e que apresentem crianças, jovens de até 21 anos ou gestantes na família. Porém, quem sair dessa faixa ainda vai ter o direito de permanecer no programa por 24 meses se a renda per capta não ultrapassar R$ 525, o que garante que o programa não promova a acomodação dos beneficiários.

Além disso, há também faixas do benefício que garantem um auxílio maior que os R$ 400 conforme o perfil familiar. O Auxílio pode aumentar caso a família se enquadre no Bolsa Esporte Escolar, na Bolsa de Iniciação Científica e na Inclusão Produtiva Rural. As famílias de baixa renda também recebem descontos na conta de luz (Tarifa Social de Energia Elétrica) e o Auxílio Gás, que é pago a cada dois meses.

O presidente Jair Bolsonaro conseguiu alcançar o feito de apagar da história o programa social que foi a maior vitrine do petismo por mais de uma década e fez isso oferecendo algo ainda melhor e mais atualizado para a população. O Auxílio Brasil é o maior programa popular do Governo Bolsonaro e deve fazer toda a diferença na eleição presidencial desse ano.


Eleições: Raquel Lyra (PSDB) conseguiu mais um reforço para o seu palanque com a chegada do pastor e cantor gospel Armando Filho (PRTB), que retirou sua pré-candidatura ao Governo de Pernambuco para apoiar a ex-prefeita de Caruaru.

Crítica: Anderson Ferreira (PL) afirmou que o governador Paulo Câmara (PSB) não tem moral para cobrar nada do presidente Jair Bolsonaro, que muito ajudou Pernambuco. “Após oito anos de incompetência e descaso em relação ao sistema de transporte público de passageiros no estado, um sistema falido e que colocou Pernambuco de joelhos perante um grupo de empresários, quem é Paulo Câmara para querer cobrar algo de alguém?”, disse Anderson.

Projetos: Miguel Coelho (UB) afirmou que pretende acabar com a burocracia em Pernambuco caso consiga chegar ao Governo do Estado: “A gente quer acabar com aquela papelada toda, tornar tudo digital, para resolver coisas como tirar um documento, emitir licenças, ter exames médicos pelo celular, de forma rápida. Fizemos em Petrolina e deu certo. Isso reduz burocracia, filas, custos e o aborrecimento do cidadão”.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábadosendo replicada em diversos blogs de Pernambuco.

Foto: Marcos Corrêa/PR.