Derrota do PSB começa a ficar evidente para aliados da Frente Popular

Derrota do PSB começa a ficar evidente para aliados da Frente Popular

Coluna do Diego Lagedo: Depois de 4 mandatos no Governo de Pernambuco e ao menos 3 na Prefeitura do Recife, os aliados do PSB começaram a alimentar a ilusão de que os socialistas não poderiam ser derrotados no estado. A ideia não tem nenhum fundamento, tendo em vista que mesmo as maiores oligarquias do Nordeste não conseguiram se manter no poder a nível estadual por mais de duas décadas.

A Frente Popular acreditava que a máquina pública era imbatível, tão forte que poderia ser capaz de inverter totalmente a opinião pública em questão de meses e vencer uma eleição. A vitória de Pirro de João Campos (PSB) na Prefeitura do Recife em 2020 começou a minar essa aura de invencibilidade. Para vencer, o PSB teve que atacar Lula e o PT, partido ao qual voltou a se aliar para a disputa desse ano.

Porém, as pesquisas eleitorais e as análises qualitativas deixam cada vez mais evidente que o PSB não tem as mínimas condições para permanecer no poder em Pernambuco. O índice de rejeição do governador Paulo Câmara (PSB) é altíssimo, tendo em vista que sua gestão deixou a desejar em todas as áreas, e a maior parte do eleitorado de Lula ainda se identifica mais com a ex-petista Marília Arraes (SD).

Além disso, faltando poucos meses para a eleição, Danilo Cabral (PSB) ainda não alcançou dois dígitos nas pesquisas eleitorais e continua sendo desconhecido do grande público. Tendo sido um deputado inexpressivo e um secretário desastroso no Governo de Pernambuco, vide o Projeto de Navegabilidade do Capibaribe e a Cidade da Copa, Danilo não tem nada de novo para mostrar aos pernambucanos e sua futura candidatura está fadada ao fracasso.

Os aliados da Frente Popular começam a perceber que os ventos estão mudando e alguns já pularam fora do barco, como foi o caso dos deputados André de Paula (PSD) e Sebastião Oliveira (Avante). Porém, a mesma avaliação está amplamente difundida na bancada do PP de Eduardo da Fonte, a segunda maior da Alepe, e os aliados mais céticos de outros partidos também começam a ver o caldo entornando.

O fim da hegemonia do PSB já pode ser visto no horizonte e a diversidade de projetos de oposição em Pernambuco é a maior evidência disso.


Diego Lagedo é historiador e especialista em Gestão Pública. A sua coluna aborda temas políticos e é publicada de segunda a sábadosendo replicada em diversos blogs de Pernambuco.

Foto: divulgação.